Jorge Sousa em 2 Palestras

28-09-2008 21:05

 

Na passada sexta feira dia 26 de Setembro,iniciou-se o ciclo de palestras da época 2008/09 do CA da  AFCoimbra ,no auditório do estádio universitário em Coimbra.

A abrilhantar a palestra inaugural, nada mais nada menos que aquele que é considerado por muitos o melhor árbitro portugues da actualidade, o árbitro da 1a categoria  e internacional sr.Jorge Sousa.

O auditório estava quase repleto e a boa disposição prevalecia entre todos, todos tinham sede de ouvir Jorge Sousa falar de assuntos relacionados com a  arbitragem e até um pouco do modo como foi parar á arbitragem.

Este abordou situaçoes ,durante e após o jogo,com explicações acerca da preparação que todos devem fazer quando recebem a nomeação"reunião de quipa",  aquecimento,alimentação e situações de jogo e até mesmo falando um pouco acerca da sua progressão na arbitragem até chegar á 1a categoria.

 

Um Dia depois dia 27 de Setembro  os ouvintes foram os arbitros jovens onde se debateu o tema " A caminho do topo" !  Este iniciou a palestra dizendo que pretendia  “melhorar no futuro” e o vício na perfeição era um dos objectivos.Descreveu  a  65 jovens árbitros, em Rio Maior. “Ainda não sou o árbitro que espero ser daqui a uns anos”, afirmou Jorge Sousa, durante o 7º Encontro Nacional do Árbitro Jovem da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), reconhecendo “limitações” e enaltecendo a vontade de “melhorar no futuro”, por estar “completamente viciado na procura da perfeição”, porque “a arbitragem é para todos, mas o topo é só para alguns”. Perante 65 jovens árbitros com idades entre os 15 e os 18 anos, 12 dos quais do sexo feminino, o portuense, 33 anos, defendeu que o facto de ter sido o melhor árbitro da última época “foi apenas um dos topos”, pois também tem ambições a nível internacional. Apesar de ter apelado a que os jovens “não encarem a arbitragem como um trabalho, mas sim como prazer”, Jorge Sousa admitiu que “a profissionalização da arbitragem será uma inevitabilidade, mais cedo ou mais tarde”. "Actualmente, até os dirigentes são profissionais", justificou. O juiz portuense recordou os primeiros passos na arbitragem. “Eu não queria ser árbitro de maneira nenhuma, inscrevi-me no curso para receber um cartão da Associação para ver os jogos à borla”. No entanto, um “desafio interessante” durante a entrega das insígnias do curso levou Jorge Sousa a “não desistir sem experimentar”. “No fim do meu primeiro jogo, que foi de juvenis, já estava completamente viciado, numa contradição completa para quem na véspera pensava ir fazer um frete. Pelo contrário, adorei a experiência”, Internacional desde a época 2005/06, Jorge Sousa foi parar à arbitragem "sem querer" - como o próprio confessa -, desafiado por um amigo a inscrever-se no curso da AF Porto, de que, aliás, esteve quase a desistir. Mas não o fez e, aos 23 anos, já era árbitro dos Nacionais e líder do Núcleo de Vale do Sousa. Na altura, o agora empresário no ramo das madeiras - começou como escriturário - jogava como defesa-direito nos Aliados do Lordelo, equipa onde Jaime Pacheco e José Mota mostraram talentos maiores. É no mesmo estádio que, de resto, Jorge Sousa se continua a treinar diariamente.

"Não acho que a minha última época tenha sido a melhor de sempre. A minha melhor época de sempre ainda está para chegar", declarou, numa recente entrevista a O JOGO, o árbitro que aponta tudo num bloco de notas, numa espécie de diário dos jogos, que vem dos tempos em que apitava as camadas jovens.

Com fama de disciplinador, explosivo e duro, detesta que falem da sua vida privada, embora já tenha confessado que entre os seus filmes preferidos está "Ben-Hur" e que a sua viagem de sonho seria ao... México

De uma maneira geral Jorge Sousa mostrou porque é que está no topo dos arbitros Portugueses.
A Arbitragem agradece a este colega, esperando que sempre que possa venha ajudar os arbitros menos experientes e mais novos